Uísque e piolho psicológico

MÃÃÃÃE! Eu vou sonhar com essa porra!

Galera, a internet voltou!

De alguma forma, o carinha recuperou o notebook dele, ou roubou de alguém, sei lá. O que importa é que agora eu posso escrever um pouco. O problema é que semana que vem tem o show do Scorpions e, novamente, ficarei sem escrever. Mas é por pouco tempo.

Como acordei um pouco egocêntrico, vou falar da minha semana (ou mais tempo…) ausente por aqui. Foi acachapante, meu.

No feriado, aliás, QUE FERIADO, não me recordo de ter bebido tanto uísque na minha vida. Tipo, é imaginar o Juca 2010, onde falaram que eu tava fazendo pipi e mostrando meu pênis para todos e fazendo desenhos com a urina na parede. Todo mundo ria, segundo meus amigos, só não sei se tavam falando do tamanho da minha rola ou do hipopótamo voador que eu desenhei com mijo. Anyway, mas é o Juca 2010 com UÍSQUE, PORRA! Então imagina chapar em alto nível. Bem, é uma delícia…

Um cara aqui da favela tava fazendo aniversário e pans. Só que o infeliz tem uns primos no interior, e estes primos trouxeram bem umas dez garrafas de Red Label, o que deu pra fazer festa no dia do niver e no seguinte, porque além de uísque, sobrou carne pra chuchu. Uma legítima churrave no meio da favela.

Continue lendo

Anúncios

Nerds, gatorrei, quinta série, páscoa e peixes

Como se faz um ovo de Páscoa

Gente do céu!

Estou passando por um momento em que os pensamentos não têm ordem. Acho que a culpa é das ficções científicas, do rock progressivo e da cachaça.

Aliás, estaria eu me tornado um nerdiossexual? Sabe, aqueles caras que são meio segregados da sociedade, sofrem de um estrabismo gritante e perdem o seu feriado jogando Nintendo DS e escrevendo em um blog que NINGUÉM vai ler!? Tipo uma pessoa, saca, que não é gay; não é hétero, também – pois como vai saber do que gosta se não pega ABSOLUTAMENTE NADA? Acho que o ser que eu estou tendo mais contato é o Yoshi, no joguinho das Olimpíadas de Inverno que eu tava brincando.

Gatorrei safadenha!

E outra coisa. Pra piorar, só tô atraindo menina gatorrei pra minha vida, meu (explico já já o que porra significa essa parada de gatorrei)! No trampo, me fizeram crer que uma piázinha bem mais ou menos queria me pegar; hoje, recebi galanteios de uma menina do Jardim Fontalis (WTF? O_O) de atributos físicos deveras questionáveis. Que que tá faltando? Um homem peludo me encoxar aqui. Puta que pariu, que nojo!

Ah, gatorrei. Lá no Ceará, os nativos denominam de ‘gatorrei’ um ser de atributos físicos duvidosos e/ou que fale mais merda do que o Boris Casoy, e que queira, ardentemente, te pegar e lamber aonde você quiser. Resumidamente, é uma menina que é bem mais ou menos, mas quer te dar. Homens, que são o que são, normalmente não deperdiçam, pois é um número a mais para as estatísticas.

Jardim Fontalis

Voltando ao Fontalis. Lá, moram alguns dos parentes que mais gosto. Aí vai um recado pra vocês: QUE CU DE MUNDO QUE VOCÊS MORAM! Um dos filhos de uma vizinha que foi comigo pra lá hoje, do nada, virou e falou o seguinte:

VOCÊ É UM LIXO!1!!!11!!1

 …e me deu um tabefe na cara

PS: e o moleque tem cinco anos!

 Imagina quando ele for um pré-adolescente cheio de merda na cabeça! Falando nisso, o meu irmão está, segundo ele, entrando na adolescência. Para mim, o maior divisor de águas entre a infância e a puberdade é a quinta série – que merece um post só pra ela. Durante a quinta série, as menininhas, não sei de onde, arranjam peitos. Os meninos não têm sequer um pelo nas bolas, mas querem parecer os maiores metelões do bairro e impressionar as meninhas peitudas, que por sua vez só olham para os rapagotes da sétima série, que tem dois pelos nos colhões e já usam desodorante Axe Conviction.

Vendo que não vão pegar as menininhas, sobra aos menininhos uma única alternativa: acabar com a moral de seus amiguinhos, questionando sua sexualidade. Todas as frases têm duplo sentido, e absolutamente TODOS os meninos são gays, menos você. Tudo é motivo para falar ‘FAZ UM BOQUETE!’ e ‘CHUPA MINHA ROLA, SEU ARROMBADO’, mesmo sem saber completamente o que tais frases significam. Meu amado irmão, de onze anos, está nesta estúpida fase. E fica me chamando de gay só porque viciei nesta frase:

Quem fala que precisa de um companheiro é gay, num é isso? Ah, mas é muito engraçado; eu me viro falando sozinho: ‘Eeu preciiiiso de um companheiro!’

O BBB acabou. O Dourado venceu. Eba. O foda é que, também sozinho, eu me viro falando:

 ‘A Magoca é fal-sá; a Lia é fal-sá; o Cadu eu tgaço’

Para não fugir do clichê, preciso também citar a Páscoa!

Vocês já pensaram se Jesus gostaria dessa putaria toda? E Moisés? É engraçado como o capitalismo modifica as coisas, perceberam? Antes de Jesus, a Páscoa era comemorada com pães sem fermento. Agora, comemoramos a parada com ovos de chocolate de 500g. Ovos de 500g que custam TRINTA REAIS. PUTA QUE O PARIU, trinta reais! A Páscoa antiga era mais barata e emagrecia, ao contrário desta, que molda gordos como eu, que de quebra adoram essa putaria toda, apesar dos pesares. Sorte que meu pai gastou boa parte de seus trocados com ovos divertidos e inusitados para o meu irmão e seus afilhados e me presenteou com um mísero ovo Baton. Caralho, queria um da Trakinas, que vem com brinquedinhos sacanas! Aliás, aquele ovo da Bis parece um caixão, vocês viram? O Capitalismo é muito conservador para umas coisas e inovador demais para outras. Dane-se. Mas não mexe no ovo. Ovo é oval, porra!

Aqui em casa, o pessoal não come carne durante uns bons dias dessa semana, o que me faz engasgar exponencialmente na Páscoa, com as inconvenientes espinhas de peixe. Aliás, meus pais trouxeram uns peixes do Ceará (detalhe: eles voltaram em janeiro e o caralho dos peixe ainda tavam aqui) que têm MUITA ESPINHA. Acho que aquelas porras não têm esqueleto. Deus pegou um jogo de pega-varetas, jogou pra cima e do jeito que caiu, disse: ‘Ficais felizes: assim será a sua concepção óssea’. Deus não joga dados, mas pega varetas… bom, o foda é que eu me engasguei muito nesse feriado. Aí meu pai comprou filé. FILÉ O CARALHO, aquela porra tem espinha do mesmo jeito. Acho que só o Mc Donald’s conseguiu eliminar todos os ossos do seu filé naquele lanche horrível, o Mc Fish – através de Plutônio-293, imagino.

Considerações finais: este blog apóia Levy Fidelix como presidente da República e acha Boris Casoy um TREMENDO FILHO DA PUTA!

Dois meses para o JUCA em Birigui e a final do futebol, PUC x Maquenze, em um estádio Mané Pipoca com mais de dois bilhões de espectadores. E vai ser legal!

Bom domingo pra você!

Iguana revisited #5

Tá realmente difícil postar, amigos. PROMETO, porém, não deixar o Quengaral morrer. Tenham paciência. Por enquanto, vejam mais um postzinho:
 

Marvada pinga

 

Após a merda, demos o espaço devido a algo comum na vida de boa parte dos todos os universitários. Na iminência dos gloriosos Jogos de Comunicação, sinto-me propenso a discorrer sobre tal assunto.
 

Quem nunca tomou AQUELE porre!?

(Nem vêm dizer que não bebem, por favor. Seus cínicos!)

Esquerda festiva

 O etanol é um álcool, cuja massa molar é de 46 g/mol, polar, volátil, com ponto de ebulição a 78°C no nível do mar. É obtido através da fermentação da sacarose. Tópico, pode ser utilizado como esterilizante e é utilizado em bebidas, que podem ser fermentadas ou destiladas. Não se pode consumir o álcool vendido em postos de gasolinas e supermercados devido à adição de benzoato de denatônio, substância que tem um gosto não agradável aos seres humanos.  

 
A pinga deixa nóis muitcho dodjo, visse?!
 
Marrintão, este pitoresco tiragosto serve como intrumento recreativo para várias pessoas. Faz pessoas feias conseguirem pegar alguém. Faz pessoas totalmente diferentes se tornarem melhores amigas em uma noite, se pegarem e gorfarem juntas no banheiro, nesta sequência.
 
 
 “O álcool é um poderoso lubrificante social,” Oscar Wilde sobre álcool
Esta bebida é uma das responsáveis por esta situação de vazio e crise que vivemos“, José Salvador Faro sobre álcool
Ããããããã“, Rose Segurado sobre álcool
“Ronaldo!”, aquele corinthiano lá sobre álcool
Fui eu que fiz“, Paulo Maluf sobre álcool
“O vinho alegra o homem”, Jesus Cristo sobre álcool – SÉRIO!
“Cachaceiros do mundo, uni-vos!” Karl Marx sobre álcool

      

Pois sim, posso afirmar com toda a convicção (e baseado na práxis marxista, pois já fiz isso demais…) que você fez as piores e as melhores coisas da sua vida auxiliado desta inebriante bebida. Aquela gata que tu catou na cagada aquele dia, lembra? Aquela que NUNCA MAIS você vai conseguir? Vai dizer que, se não fosse aquela tequilinha, você tinha pêgo? Teu cu, seu nerd! A primeira briga em que você se meteu, por causa daquela menina que você nem lembra o nome? Se não fossem aquelas 15 cervejas, você nem ia desconfiar dela, seu babaca!
 
E tem algo mais marcante na nossa puberdade do que o primeiro porre? Aquele que você toma míseros três chopps e sai gorfando no vestido das menininhas e sai pensando “nunca vou pegar nenhuma dessas aí, fodeu!”. E a primeira PT, aquela que você desmaia, vai tomar glicose, seu pai vai te buscar e você diz que “a culpa foi do suco de maracujá”? Ah, grandes tempos!
 
Sem contar aquelas peculiares histórias de bêbado…
 
Tem sempre um amigo apaixonado, que vê uma mina mais ou menos na balada, mas ela não dá bola. Daí começa o chororô, o gorfo, a encheção de saco, o gorfo, a vontade de dançar forró com o segurança, a gorfada no segurança, a segunda tentativa de ficar “com o amor da vida dele”, o fora, o chororô e o gorfo nos pés da menina.
Ou então aquele amigo que ri como uma hiena pestilenta de Madagascar. Toma uns gorós e começa a se achar o fodão; mas não deixa de ser o idiota de sempre e acaba levando dezesseis tocos, acaba chorando e gorfando na roupa e no carro dos amigos.
 
E aquele amigo que se acha o camarada, popular, abraça e beija a todos e acaba deitando e gorfando nas pernas na tua namorada?
 
Sem contar nas celebridades etílicas que se tornaram conhecidas por causa desta maravilha, tais como Mussum, Jeremias José, Mallu Magalhães, João Canabrava e o nosso presidente Lula, espelho de um país bebaaaaaaço? SUMEMO, estamos cercados de bêbados por todos os lados, man!
 
Mesmo com todas as maravilhas proporcionadas por este elixir ímpar, lembre-se sempre,
 
 

CU DE BÊBADO NÃO TEM DONO!

Não se esqueça nunca disso, infame!
 
 
Sem mais, vou jantar e tomar uma. Beijos! 

Manual de Sobrevivência Universitária

Hoje é o meu último dia de férias.

O mais prudente e apropriado a se fazer em um dia como esses é organizar, arrumar o caderninho, o estojo, a lancheira e esperar ansiosamente pelo glorioso dia. Mas não, seria assim se eu fizesse USP. No caso, o melhor a fazer é arrumar as tintas, a cachaça e/ou entorpecentes afins, para quem é do rolê… como eu faço PUC, seria normal pensar que eu fumo uns banza, mas não é o caso. Porém, eu imagino que tem nego fumando um baseado na sala dos professores, para conseguirem brisar tanto nas aulas…

A minha primeira ideia para era a de fazer um resumo das minhas férias (passei um mês sozinho em casa, com minha família a 3×10³ km de distância. Porém, decidi contemplar os meus amigos que entraram na faculdade (PARABÉNS!) com algo útil neste começo de vida acadêmica de verdade. Assim, resolvi fazer o

Manual de Sobrevivência Universitária do Adriano,

que baseia-se em uma listinha que eu fiz. Vamos lá!

# Trote Provavelmente, este é o momento mais aguardado pelo estudante que passou anos e anos enchendo o cu de cana estudando e chegou ao ensino superior com louvor. O trote tem este nome porque o objetivo deste é ensinar o calouro (a partir daqui chamado de bixo) a ‘trotar’, a saber como funciona a universidade. Como todos nós sabemos, é muito útil aprender a ser careca, depilado, beber doze litros de vodca vagabunda, rolar no chão, ser ‘empanado’ com café e farinha de trigo e, para fechar, ainda voltar pra casa, sendo fotografado do começo ao fim — sempre alguém leva uma câmera, pois toda essa imundície, beeem no fundo, traz orgulho para o papai, para a mamãe e para o próprio bixo.

O mais importante a se dizer sobre o trote é que ele é um exemplo vivo da atuação da Lei de Murphy: você, querido bixo idiota, vai ter um trote muito pior do que você imagina e a pior ressaca de toda a sua vida. Mas isto tem um lado bom – no ano seguinte, você pode descontar tudo isso nos pobres bixos que te sucederão.

ESSE ANO É MINHA VEEEEZ. HAHA x)

# Aulas Como eu faço jornalismo, era de se esperar que eu não fosse estudar nada, afinal minha facul é inútil e não precisa de diploma, segundo os meus amigos engenheiros filhos da puta. Mas no meu caso é verdade, no ano passado eu aprendi a beber ainda mais e também aprendi que comunismo em excesso faz mal. O principal a se dizer com relação às aulas é: você não precisa estudar!

Acompanhe o meu raciocínio: nosso cérebro armazena novas informações e ‘deleta’ informações antigas. Qual é a graça de você esquecer o nome daquela gostosa que estudou com você há alguns anos para guardar no seu cérebro que a integral é o inverso da derivada (o___O) ou que Hobbes é contratualista? Ou pior, que você vai esquecer TUDO! Ou pior, que quanto mais coisas você guarda na cabeça, mais chance você tem de ter mal de Alzheimer!?!?

Sem contar que, já formado, você não passará de um peão com diploma. Grandes bosta estudar então. Ainda mais se você for bancado pelos pais! Melhor é ir pro bar entornar um tonel de Ypióca para conseguir beber mais do que o seu chefe – ISSO é importante! Beber mais do que o seu chefe é a melhor forma de despertar a satisfação dele. Anotem isso.

# Festas A oportunidade ideal de se conseguir conhecer gente nova, de outros cursos, de outros anos, qualquer pessoa que você possa catracar no futuro. São o verdadeiro objetivo da universidade, pois você faz contatos (construindo o seu networking) e pode pôr em prática tudo o que aprendeu nas aulas, entornando toneis e mais toneis de bebidas alcoólicas. Se você não dança funk, axé ou porra nenhuma, o etanol resolverá a situação com seus inebriantes poderes. Compareça aos Jogos Universitários, onde você poderá colocar toda a sua raiva para fora xingando todos os concorrentes que você eliminou no vestibular – ou xingando os nerds virgens que tiraram o seu posto. Vejam um excerto do que se ouvia no JUCA 2009:

‘USP como pode? As suas minas têm bigode’

‘Só para não esquecer, a Metodista é a UNIP do ABC’

‘Puta que o pariu… é a maior antena do Brasil… Cásper!’

‘Eeeei, Mackenzie, vai tomar no cu. FILHA DA PUUUUTA!’

‘Puta que o pariu, é o maior puteiro do Brasil… FAAP’

MACOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOONHA!’

Não precisa dizer a qual universidade o último grito se destina.

# Instalações da Universidade é muito importante saber tudo sobre o prédio onde você estuda — o bar faz parte dele, impreterivelmente. É primordial saber todos os esconderijos (para eventuais pegadas), todos os banheiros (para eventuais cagadas) e os pontos de venda de drogas e os recintos apropriados para o consumo destas. É essencial conhecer onde os professores ficam (para nunca passar por este lugar em uma eventual fuga) e saber o nome de todos os bares, tomando nota do nome dos funcionários e das eventuais promoções ocorridas nos estabelecimentos, pois não há nada melhor do que tomar cerveja com os amigos e gastar pouco. A biblioteca é o dormitório especial, nunca podendo ser utilizada para outro fim.

# Dicas gerais Xeroque todos os seus livros. Aliás, não faça isso. Sempre haverá um veterano disposto a te dar suas fotocópias por um preço acessível e se livrando da papelada desnecessária. Eleja um membro da sala como Representante – este é o responsável por ouvir, via rádio, todos os jogos de futebol e repassar aos seus companheiros. Também eleja um tesoureiro, para organizar o complexo pagamento das contas no bar.

Na sexta-feira, sempre haverá as aulas mais chatas e modorrentas da História. E você terá a difícil escolha entre a aula e a cervejada. Difícil escolha, diga-se por sinal. Nunca misture bebidas alcoólicas com salsicha – você vai vomitar muito e a culpa, lógico, é da porra do cilindro vermelho que você pôs para dentro. Um caderno de 100 folhas é mais do que suficiente para todo o curso. Você vai engordar e ficar velho, com certeza. Mas será a melhor fase da sua vida.

Ah, sim. A dica mais importante:

Universidade = Álcool

E vamo que vamo! Boa volta às aulas!

Barriga feladaputa

Tá foda, man;

Estou absurdamente revoltado com a minha forma física.

Hoje, acordei tarde, porque tive uma noite divertidinha pela Avenida Paulista (pegando o ônibus pro glorioso bairro do Sacomã 1:30 da matina e puto porque o pessoal que foi ao Metallica estava gritando e jogando cerveja para o alto – que inveja!), acordei com uma pança modafoca. Estou parecendo um híbrido de porco com Homer Simpson.

A minha amada mãe diz que, a cada dia que passa, o ser humano atinge cada vez mais longevidade – Dercy Gonçalves, Sílvio Santos, Hebe Camargo e Oscar Niemeyer  são exemplos de seres com mais de 30 séculos. Porém, é impressionante como a gente fica velho e feio cada dia mais cedo.

No meu caso, provavelmente aos 25 anos eu aparentarei ter uns 40, por fatores dos mais variados.

Fatores hereditários são uma bosta; você não pede pros seus pais te parirem, eles ainda te dão um presente: predisposição para amar cachaça e uma tendência filha da puta para a calvície. Homens, naturalmente, são horríveis. Agora vocês imaginem este rapaz narigudo sem um fio de cabelo na cabeça e com uma semana sem fazer a barba. É, mais ou menos isso. Pelas minhas previsões, tenho uns 7 anos de cabelo. Portanto, é bom eu arranjar uma mina agora, porque mais tarde ninguém vai me querer…

Outra coisa, eu curto beber um pouco. O maior motivo da minha revolta com o meu corpo é a barriga que estou ostentando: a pança parece um tonel de banha de cabrita. Passei o último mês sozinho, sem mamãe nem papai; logo, entornei 200 galões de cerveja nestas férias. Quando mamãe voltou, estava com saudade da sua gordurosa e apimentada comida, ingerindo 258,6 toneladas de toucinho. Mano, tá foda.

Onde eu vou, me oferecem cerveja. As pessoas são muito cordiais comigo e, por educação, aceito tudo o que me oferecem, ocasionando uma acréscimo de 251 quilos em minha já prodigiosa pancinha.

Além disso, semana que vem volto à faculdade: isto é, garantia de cerveja e croissants de peito de peru por horas à fio. Provavelmente, estarei hipertenso aos 22 aninhos.

De qualquer forma, preciso de ajuda. O que fazer para manter a forma? Devo parar de comer? Devo xingar quem me oferece coisas boas para beber e comer? Devo usar xampu para manter alguns fios? Ou é melhor ligar o foda-se e ir pro forró pegar mulher feia? Há alguma dieta ideal?

Nem me digam que devo parar de beber ou fazer academia, caralho. Prefiro esperar que o Chapolin me deixe magro…